Monique Munarini é brasileira, mestranda em Direitos Humanos na Itália, com estudos integrados com a França. Voluntária à distância do Instituto Aurora, ela compartilha a sua vivência e reflexões sobre Direitos Humanos no Brasil e no mundo.

Por Brenda Lima, para o Instituto Aurora

Quando se fala em voluntariado, geralmente você pensa em atividades presenciais? E quando a primeira vez que dá certo acaba sendo no online? Foi isso o que aconteceu com Monique Munarini, voluntária do Instituto Aurora, que conta como tem sido essa experiência de voluntariado à distância.

A Monique conheceu o Aurora quando ainda estava no Brasil, em 2019, antes de migrar para a Itália em estudos. Num evento, na qual foi convidada por uma amiga, ela conheceu o Instituto e se cadastrou como voluntária: “Eu estava querendo me engajar em alguma coisa e casou muito! Fui no evento, gostei e me cadastrei.”

O retorno acabou não sendo imediato, mas ela continuou acompanhando as atividades do Instituto Aurora. Quando viajou para a Itália, foi contatada e convidada a participar dos eventos presenciais, momento em que informou a impossibilidade, por conta da distância. Mesmo assim, ela reforçou que ainda possuía interesse em participar de alguma forma. “Foi quando surgiu essa oportunidade de contribuir com o blog, aí me contataram”. 

Evento de café da manhã com voluntários do Instituto Aurora
(Aquele encontro de voluntariado que Monique participou em 2019)

Interesse desde sempre em Direitos Humanos

Monique é graduada em Direito no Brasil, e conta que sempre se interessou pela temática de Direitos Humanos, participando de atividades voltadas à essa área de conhecimento. Inclusive, se envolveu em pesquisas, contribuindo no Grupo de Pesquisa sobre o Sistema Interamericano de Direitos Humanos do Centro Universitário Curitiba (UniCuritiba).

Esse envolvimento e conhecimento prévios fez com que sua participação e interesse em contribuir (e também aprender) com o Instituto Aurora permanecesse e fosse possível mesmo estando em outro país. Monique se mudou para a Itália no intuito de fazer sua pós-graduação de Mestrado em Direitos Humanos. Lá, ela trilha uma trajetória muito interessante e rica em aprendizado pelas instituições Università degli Studi di Padova – Italia (Universidade de Padova – Itália), Université Grenoble Alpes – France (Universidade pública em Grenoble Alpes – França), e na Université Catholique de Lyon – France (Universidade em Lyon – França). 

Visão sobre Direitos Humanos no mundo

Indagada sobre qual sua visão da temática Direitos Humanos no mundo, sendo uma brasileira que acompanha essa pauta no Brasil e vive/estuda o tema na Europa, Monique diz que, embora o Brasil possua inúmeras questões relacionadas a desigualdade social, “precisamos parar com a síndrome do vira-lata”. Pois, diferente daquilo que indica o senso comum, países desenvolvidos também possuem suas desigualdades e questões problemáticas de Direitos Humanos.

Aqui, no Brasil, muitos temas são tratados de forma aberta, como é o caso – por exemplo – da luta pela efetivação dos direitos da população LGBTQIA+, do combate à homofobia, do combate ao racismo e também da luta contra a desigualdade entre os gêneros. Enquanto lá na Europa, a questão da dignidade humana é muito relativizada em situações que envolvem migrantes e refugiados, o racismo é muito forte por conta da miscigenação das antigas colônias.

Desta forma, o Brasil segue à frente da conquista e efetivação de direitos que na Europa ainda se discutem e são vistos como tabus. Monique trouxe, a exemplo, a questão da pandemia e os números de violência doméstica, relatando que, embora Brasil e Itália vivam contextos diferentes, os problemas são iguais. Tanto num país quanto no outro, houve um aumento preocupante nos números de mulheres que sofreram violência doméstica durante a pandemia.

Sob a ótica regional do tratamento aos Direitos Humanos, Monique nos conta que por haver Comitês e Comissões de Direitos Humanos na União Europeia, são estipuladas diretrizes para aplicar nos países-membros. Também por esse motivo, a visibilidade e manejo do tema é grande, então muitas medidas e campanhas lançadas por esses comitês e pelo sistema ONU têm alcance e adoção rápidas. Ainda, por ser o centro das discussões acerca de Direitos Humanos, as Organizações Não-Governamentais que são criadas na Europa recebem muito apoio governamental e financiamento da própria União Europeia para a efetivação concreta de tais medidas e campanhas.

Atualmente, Monique participa de uma organização estudantil chamada Student Engagement Team com seus colegas de mestrado, que tem foco na Agenda 2030 – ONU e, ao mesmo tempo, participa de outras associações e atividades que buscam a promoção e a garantia da Dignidade da Pessoa Humana que, aqui no Brasil, é norma e princípio norteador da Constituição da República.

Como o trabalho voluntário contribui para suas reflexões

Para Monique, ser voluntária no Instituto Aurora serviu de incentivo a aguçar sua curiosidade pelo estudo do tema, e ainda ajudou a desenvolver uma melhor capacidade de comunicação em Direitos Humanos. Estar estudando fora do Brasil, vivendo essa experiência multidisciplinar e extraterritorial, permite uma expansão da perspectiva sobre a educação em Direitos Humanos, que também é integrada, pois ela está em constante comunicação e vivência com ambas as realidades.

Quando eu iniciei meu Mestrado em Direitos Humanos aqui na Itália, eu vi uma necessidade ainda maior de trazer essa pauta e trabalhar com isso no Brasil, quase como uma responsabilidade diante do fato de que eu vim para fora para estudar”

Monique comenta que ser voluntária à distância no Instituto Aurora, estando em outro país, está sendo uma experiência bem interessante. “Desde a primeira conversa com a Mayumi [gestora de comunicação do Aurora], tive muita liberdade de propor pautas ou trabalhar com pesquisas que sejam semelhantes e/ou interajam com a minha pesquisa aqui. Então está sendo muito enriquecedor, um desafio muito interessante. Porque aqui, eu tive outras perspectivas, mas me faz ser mais curiosa a pesquisar temas e como eles interagem com o cenário brasileiro, como o que eu aprendi aqui se aplicaria no Brasil”.

Suas contribuições para o Instituto Aurora são, até o presente momento, os artigos:

Monique consegue correlacionar os assuntos abordados nestes artigos com os temas que estuda no mestrado e ainda, considerando as realidades e contextos culturais, traçar um paralelo Brasil-Itália, como foi o caso do artigo mais recente sobre o Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher. 

Apoie o Instituto Aurora

A experiência compartilhada por Monique te trouxe reflexões? Quer contribuir para que a gente continue comunicando a causa de educação em Direitos Humanos?

Se o nosso propósito e a nossa atuação também fazem sentido para você, seja uma madrinha ou um padrinho do Aurora e faça sua contribuição pelo link: bit.ly/somosaurora_2022.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar