O acesso à energia não se resume no acesso à eletricidade, mas em formas sustentáveis e limpas de energia. O alcance do ODS 7 impacta em diversos aspectos da vida humana e social, como saúde, educação, trabalho e qualidade de vida.

Por Ana Carolina Alves Machado Paciornik, para o Instituto Aurora

Em 2015, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, foi criada a Agenda 2030. Este documento propõe 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) a serem alcançados pelos 193 países signatários, visando a promoção do desenvolvimento humano nas perspectivas econômica, social e ambiental. 

Por estarem inegavelmente conectados, os objetivos devem ser implantados em conjunto e não de forma independente entre si. Você pode entender melhor o que são estes objetivos em nosso artigo “ODS: o que esta sigla significa e como ela impacta o mundo hoje”.

ODS 7. Energia Acessível e Limpa – Garantir o acesso a fontes de energia confiáveis, sustentáveis e modernas para todas e todos.

Um dos dezessete objetivos do Pacto Global é, até 2030, assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todas e todos, tendo como metas:

  • a) assegurar o acesso universal, confiável, moderno e a preços acessíveis a serviços de energia;
  • b) aumentar substancialmente a participação de energias renováveis na matriz energética global;
  • c) dobrar a taxa global de melhoria da eficiência energética;
  • d) reforçar a cooperação internacional para facilitar o acesso a pesquisa e tecnologias de energia limpa, expandir a infraestrutura e modernizar a tecnologia para o fornecimento de serviços de energia modernos e sustentáveis para todos nos países em desenvolvimento, particularmente nos países menos desenvolvidos, nos pequenos Estados insulares em desenvolvimento e nos países em desenvolvimento sem litoral, de acordo com seus respectivos programas de apoio.

Tais metas representam o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 7 (ODS 7). O seu cumprimento, para além de questões técnicas e de infraestrutura, impacta diretamente sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), tendo em vista as questões sociais ligadas à necessidade humana de usufruir da energia para: serviços sociais, estudar, ter qualidade de vida e trabalhar.

Você já parou para pensar nas questões sociais ligadas à falta de energia? 

A falta desse recurso prejudica vários setores inerentes à dignidade do ser humano. Na educação, afeta no funcionamento de equipamentos escolares como, por exemplo, o computador; afeta o acesso à internet, acesso à informação e aulas de cursos noturnos, entre outros. No campo da saúde, a falta de energia e de energia de baixo custo impede o funcionamento de hospitais, postos de saúde e equipamentos hospitalares. No trabalho, a renda pode ser diretamente afetada, pois a falta de energia prejudica setores de produção, comércio, principalmente, os pequenos negócios urbanos e rurais.

Ainda, estudos do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para as Mulheres (UNIFEM) mostram que as mulheres, em algumas situações, passam o dia procurando água potável e preparando o fogo para cozinhar, sendo que, em muitas situações, quando não conseguem, estão mais sujeitas à violência doméstica.

Acesso à Energia no Brasil e no mundo

De acordo com o relatório do Banco Mundial, até 2018 um bilhão de pessoas (13% da população mundial) vivia sem eletricidade e mais de 3 bilhões (41%) usavam combustíveis poluentes para cozinhar, o que afeta sua saúde, produtividade e qualidade de vida. Ainda que em 2019 esse número tenha diminuído para 759 milhões, o impacto financeiro da COVID-19 tornou os serviços básicos de eletricidade inacessíveis para outros 30 milhões, principalmente para países menos desenvolvidos.

No Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2018, 99,7% da população possui acesso à energia, todavia o uso de energias limpas, que estava em ascensão até 2014, começou a decair a partir de 2015. Logo, para cumprir o ODS 7 não basta apenas o acesso à energia, é preciso encontrar formas limpas e renováveis desse recurso para, então, diminuir a dependência de combustíveis fósseis. 

Energia e as mudanças climáticas

De acordo com a ONU, as atividades humanas têm sido o principal impulsionador das mudanças climáticas, principalmente devido à queima de combustíveis fósseis como: carvão, petróleo e gás.  A queima de carbono fornece grandes quantidades de gases de efeito estufa que causam mudanças climáticas e têm impactos na saúde, capacidade de cultivar alimentos, habitação, segurança e trabalho.

Encontrar formas limpas e renováveis de energia significa poder ofertar mais energia com menor impacto ambiental e reduzir o impacto econômico do custo da energia consumida. 

No caso do Brasil, o país apresenta uma das maiores matrizes energéticas renováveis do mundo, sua produção provém de fontes renováveis como biomassa, etanol, hidrelétricas, solar e eólica, entre outras. No entanto, é preciso de investimento do Governo. Nesse sentido, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicação publicou, em 2018, o Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para Energias Renováveis e Biocombustíveis no qual é sugerido o biogás e o biometano como alternativas para alcançar o ODS 7.

A importância do acesso a fontes de energia limpa e sustentável para a nossa e as próximas gerações

A produção de energia limpa combate diretamente a poluição, a emissão de gases de efeito estufa, as alterações climáticas e a desigualdade social e, consequentemente, contribui para o crescimento econômico, geração de empregos e qualidade de vida. Portanto, é de extrema importância o investimento em pesquisas e produção de energias limpas e renováveis.

Podemos concluir que o acesso à energia não se resume no acesso à eletricidade, mas também em meios sustentáveis e renováveis desse recurso. Fontes de energia limpa e sustentável é uma forma de transformação ambiental e social, reduzindo as alterações climáticas, desigualdades, vulnerabilidades e aumentando relações horizontais, ampliando os espaços democráticos e, sobretudo, é uma oportunidade de assegurar a nossa e as próximas gerações a continuidade de uma existência digna.

Leia mais:

>> ODS 6: Água Potável e Saneamento Básico são direitos de todos e todas

>> ODS 12: Consumo e produção responsáveis

>> ODS 11: por cidades e comunidades sustentáveis, inclusivas, seguras e resilientes no Brasil e no mundo todo

Algumas referências que usamos neste artigo:

Acesso à eletricidade avança, mas desigualdade ainda é obstáculo para cumprir meta de energia para todos | ONU

Acesso universal a energia: muito mais que eletricidade | World Bank

Domicílios Brasileiros | Educa | Jovens – IBGE

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – 7. Energia Acessível e Limpa | Ipea

Objetivo de Desenvolvimento Sustentável – 7 Energia limpa e acessível | ONU

O que são as mudanças climáticas? | ONU

PLANO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOCOMBUSTÍVEIS 2018-2022

SOUZA, Luciana Cristina. ENERGIA E SUSTENTABILIDADE HUMANA: IMPACTO DAS METAS DO ODS 7 NO BRASIL. Revista de Direito Ambiental e Socioambientalismo, 2018.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar