“Querem nos calar”, com organização de Mel Duarte, foi a leitura coletiva organizada pelo Instituto Aurora no mês de dezembro de 2021. A partir dos poemas de diversas autoras pudemos refletir sobre questões de direitos humanos.

Por Mayumi Maciel

“Querem nos calar” é uma antologia organizada por Mel Duarte, com prefácio de Conceição Evaristo. A obra conta com poemas de 15 mulheres slammers, das cinco regiões brasileiras: Anna Suav, Bel Puã, Bor Blue, Cristal Rocha, Dall Farra, Danielle Almeida, Laura Conceição, Letícia Brito, Luiza Romão, Luz Ribeiro, Mariana Felix, Meimei Bastos, Negafya, Roberta Estrela D’Alva e Ryane Leão. Sendo autoras de seus textos e de suas próprias histórias, as artistas levantam uma série de temas para serem refletidos.

Poemas para serem lidos em voz alta

Os slams são batalhas de poesia falada, que chegaram ao Brasil por meio de Roberta Estrela D’Alva, em 2008. Como todas as poetas desta antologia são slammers, o seu subtítulo é “poemas para serem lidos em voz alta”.

Cada autora apresenta sua forma de construção poética. A experiência da leitura em voz alta nos faz entrar em um universo de musicalidade e ritmo.

Na apresentação de “Querem nos calar”, Mel Duarte deixa bem nítida a proposta do livro:

“A cada geração, adapta-se a utilização da palavra para contar sua história, deixar o seu legado, e isso, no contexto atual, nos permite romper com um ciclo de mulheres silenciadas e compartilhar nossa visão de mundo numa sociedade patriarcal que quer nos limitar a todo momento e que, desde o começo dos tempos, dita a disposição de nossos corpos e de nossas falas.”

O que “Querem nos calar” tem a ver com Direitos Humanos?

Os poemas de “Querem nos calar” abordam uma série de assuntos, passando por temas relacionados a gênero, raça e desigualdade social. Algumas das questões que pudemos refletir durante a leitura foram:

  • Relacionamentos abusivos e violência de gênero
  • Ancestralidade
  • Abandono paterno
  • Preconceitos e estereótipos contra mulheres negras e indígenas
  • Empoderamento
  • LGBTfobia
  • Privação de liberdade e encarceramento feminino
  • Divisão sexual do trabalho
  • Expectativas quanto à aparência feminina
  • Machismo
  • Violência obstétrica
  • Violência ambiental
  • Representatividade

A escolha da leitura de “Querem nos calar” para o mês de dezembro de 2021 foi bastante intencional. O objetivo era que a leitura fizesse parte de atividades relacionadas aos 21 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres. Esse período, compreendido entre os dias 20 de novembro e 10 de dezembro, é uma campanha de conscientização, engajamento e mobilização para falar sobre o tema. A gente já falou mais a respeito em um artigo publicado em nosso blog.

Por isso, a leitura de “Querem nos calar” permitiu, também, a reflexão sobre tantos temas que estão relacionados com a violência contra as mulheres. Precisamos lembrar que essa violência vai além da violência física, podendo ser psicológica, moral, sexual e patrimonial. Discutir esse assunto é mostrar que ele existe, aprender a identificá-lo e combatê-lo. E a leitura pode ser um bom caminho para isso.

Encerrando as leituras coletivas promovidas pelo Instituto Aurora

“Querem nos calar” foi a última leitura coletiva promovida pelo Instituto Aurora no ano de 2021, e este projeto específico ficará em pausa durante o ano de 2022. Você pode acessar todas as resenhas publicadas em nosso blog, nas quais trazemos reflexões sobre as obras lidas e suas relações com os Direitos Humanos.

Se você quiser saber sobre próximos projetos e eventos do Instituto Aurora, acompanhe as nossas publicações no Instagram, que sempre anunciamos as novidades por lá. Você também pode se inscrever em nossa newsletter, preenchendo seus dados em um pequeno formulário disponível na home do nosso site.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar