Conhecer artistas indígenas é parte do fortalecimento da nossa história, cultura e identidade, sobretudo da nossa trajetória que elabora nossa formação e quem somos hoje.

Por Vivianne Sousa, para o Instituto Aurora

Em busca de tentarmos romper uma comunicação colonialista, hegemônica e não democrática, apresentamos obras artísticas e artistas indígenas que vem rompendo preconceitos e  ocupando a construção de uma cultura participativa, representativa e que compõem nossa história. 

Esses autores e autoras, artistas e referências na arte e na cultura brasileira demonstram inúmeras formas de perceber os Brasis e suas manifestações culturais que desenham realidades e contam memórias.

Te convidamos a conhecer estes artistas, aprofundar o contato e divulgar com os amigos, conhecidos e familiares, com o intuito de ampliar o conhecimento e divulgar sua cultura.

Retrato de Ailton Krenak
Crédito: Garapa – Coletivo Multimídia

Ailton Krenak

Inicialmente gostaríamos de apresentar o autor Ailton Krenak, um dos defensores dos direitos indígenas mais conhecidos em todo o Brasil. Nascido em Itabirinha, em Minas Gerais, em 1953, Ailton Krenak organizou a Aliança dos Povos da Floresta, que reúne comunidades ribeirinhas e indígenas na Amazônia, no final dos anos 1980. É comendador da Ordem de Mérito Cultural da Presidência da República e doutor honoris causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. É autor de livros como “A vida não é útil”, “Ideias para Adiar o Fim do Mundo” e “O amanhã não está à venda”.

Apresentação do grupo Brô Mc's

Brô Mc’s

Grupo indígena de rap, Brô Mc’s é um grupo de jovens indígenas das aldeias Bororó e Jaguapiru, no Mato Grosso do Sul. Kelvin Mbaretê, Bruno Veron, Clemersom Batista e Charlie Peixoto, integrantes do grupo, fazem parte das etnias Kaiowá e Guarani. Brô Mc’s foi criado em 2009, e sua letras misturam português e Guarani-Kaiowá, valorizando e visibilizando a cultura indígena em que estão inseridos, falando sobre temas como racismo, invasão de terras e destruição da natureza. O grupo vai se apresentar no Rock in Rio 2022, com o cantor Xamã.

Retrato de Takumã Kuikuro

Takumã Kuikuro

Takumã Kuikuro, é cineasta, membro da aldeia indígena Kuikuro, e atualmente vive na aldeia Ipatse, no Parque Indígena do Xingu. Dirigiu o documentário “As hiper mulheres” (2011), junto a Leonardo Sette e Carlos Fausto, disponível no Videocamp. Participou do projeto “Vídeo nas Aldeias”, do qual resultaram produções como “O dia em que a lua menstruou” e “Karioka”. Teve filmes premiados em festivais como os de Gramado e Brasília, e no Presence Autochtone de Terres em Vues, em Montréal. Também foi o primeiro jurado indígena do Festival de Cinema Brasileiro de Brasília, em 2019.

Retrato de Daiara Tukano

Daiara Tukano

Daiara Tukano é artista, ativista, educadora e comunicadora. Graduada em Artes Visuais e Mestre em direitos humanos pela Universidade de Brasília – UnB, ela pesquisa o direito à memória e à verdade dos povos indígenas. Também foi coordenadora primeira web-rádio indígena do Brasil, a Rádio Yandê. Recentemente, participou da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto, recebeu o Prêmio PIPA Online 2021, e participou do documentário “Música é arma de luta” (2021).

Retrato de Katú Mirim

Katú Mirim

Katú Mirim é uma rapper, cantora, compositora, atriz e ativista da causa indígena. Suas músicas abordam questões indígenas e ela também tem uma presença bastante marcante nas redes sociais. Em 2018, por exemplo, Katú lançou a tag #indionaoéfantasia, levantando a discussão sobre os estereótipos nas fantasias. Em 2019, lançou o coletivo Tibira, com foco em pessoas indígenas LGTBQ+.

Visibilidade indígena e ODS 10

O ODS 10, da Agenda 2030 da ONU, fala sobre redução de desigualdades. Mais especificamente, a meta 10.2 diz: “Até 2030, empoderar e promover a inclusão social, econômica e política de todos, independentemente da idade, gênero, deficiência, raça, etnia, origem, religião, condição econômica ou outra”.

Conhecer e valorizar a cultura indígena é uma forma de contribuirmos para o alcance desta meta, e para promovermos uma sociedade mais inclusiva.

Ainda sobre este tema, temos o artigo Como fazer um “Dia do Índio” educativo na escola?, que discute a importância de uma educação pautada na valorização dos povos indígenas e combatendo estereótipos. Sobretudo, fortalecendo a representatividade e identidade destes povos. 

Aproveite também para ler outros artigos de conteúdo educativo em nosso blog.

Algumas referências que usamos neste artigo:

Ailton Krenak | Companhia das Letras

Brô Mc’s: Grupo indígena de rap e sua resistência | Revista Arte Brasileira

Takumã Kuikuro | Embaúba Play

Katú | Wikipedia

Daiara Tukano

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar