A promoção de uma cultura de paz, ou seja, de sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável também passa pelos ambientes virtuais

Por Ana Carolina Maoski, para o Instituto Aurora

(Foto: Jana Rizziolli)

O Dia Internacional da Paz é celebrado em 21 de Setembro. A data, criada em 1981 durante a assembleia geral da Organização das Nações Unidas, ressalta a paz como um valor que deve ser valorizado e promovido entre diferentes grupos e culturas.

Quando falamos na promoção de Direitos Humanos, a paz é um dos conceitos que está associado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Mas como podemos entender a ideia de uma cultura de paz? Na prática essa proposta não se resume à ausência de conflitos de diferentes origens, sejam eles bélicos ou sociais. 

Para caminharmos em direção a uma sociedade pacífica é preciso estimular outros valores como a justiça, o diálogo e a compreensão das diferenças – todos essenciais a uma vida democrática. Práticas como a Justiça Restaurativa e a Comunicação Não Violenta são ferramentas chave nesse processo, que deve ser construído cotidianamente. 

O Instituto Aurora atua na promoção de um mundo em que a cultura de paz permeie todas as relações, em todos os lugares: privado, público e digital.

>> Dica de Conteúdo do Instituto Aurora 

O documento da UNESCO intitulado “Cultura de paz: da reflexão à ação” apresenta um balanço das ações promovidas durante a Década Internacional da Promoção da Cultura de Paz e Não Violência em Benefício das Crianças do Mundo (2001-2010). São reflexões sobre o que foi conquistado nesse período e os desafios a serem enfrentados em relação à construção de uma cultura de paz.

Redes sociais como espaço de vivência

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) indicam que cerca de 83% dos domicílios nacionais têm acesso à internet, sendo os celulares os aparelhos mais utilizados para estar online. Um levantamento realizado pelo IAB Brasil revela que os entrevistados passam, em média, 6 horas diárias em rede.

Nesse cenário as redes sociais se consolidam como grandes espaços de sociabilidade. Do Instagram ao Facebook, passando por outras redes que promovem a interatividade e/ou o acesso a conteúdos diversos, como o Youtube e Tik Tok, a vivência social ganha nova dimensão na internet. E, assim como ocorre no mundo offline, uma série de conflitos e violências são reproduzidos e disseminados nesses espaços.

A promoção da cultura de paz em ambientes virtuais

Ao estimular a promoção de uma cultura de paz em ambientes virtuais, busca-se encontrar meios para prevenir, enfrentar e solucionar uma série de conflitos e violências identificadas nos espaços das redes sociais. Práticas como cyberbullying, disseminação de fake news e slutshaming (exposição e humilhação de mulheres e meninas por “transgressão” a posturas aceitas de conduta sexual), por exemplo, podem ser evitadas. 

Para a pesquisadora e professora do IFF/Fiocruz, Suely Deslande, o investimento em uma educação digital é fundamental  “para que o uso do internet seja ético, para que as informações ali veiculadas sejam absorvidas de forma crítica e reflexiva e assim possamos usufruir das muitas possibilidades de comunicação, produção e disseminação de conhecimento, afeto, de lutas por direitos e mesmo de serviços e negócios”.

A organização estadunidense Civic Signal, liderada por Eli Pariser, autora do best-seller “O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você” e Talia Stroud, diretora do Centro de Engajamento de Mídias da Universidade do Texas, passou dois anos revisando estudos de áreas como psicologia social e planejamento urbano, sobre a qualidade de espaços públicos – como parques, praças e bibliotecas. A partir dessas referências, foi realizada uma pesquisa para descobrir como criar espaços digitais mais saudáveis, com milhares de cidadãos digitais de 20 países, incluindo o Brasil. Afinal, muito de nossa vida pública é hoje realizada em plataformas digitais.

A pesquisa resultou em quatro qualidades-chave que espaços públicos digitais devem ter para serem mais saudáveis. Em resumo, eles devem ser acolhedores e seguros para diversos públicos, ajudar a compreender o mundo, conectar pessoas próximas e distantes para além das diferenças e hierarquias e permitir que as pessoas possam agir juntas.

A partir desses resultados, podemos refletir sobre alguns pontos apontados na pesquisa e que contribuem para a construção de uma cultura de paz nas redes sociais, como encorajar a humanização das outras pessoas (lembrar que por trás da tela, existe um ser humano), construir pontes entre diferentes grupos, compartilhar informações confiáveis e apoiar ações cívicas.

Aqui no Instituto Aurora nós acreditamos na promoção de projetos educativos que estimulam o diálogo e reforçam valores como a justiça social, a confiança e o respeito entre os indivíduos. Através das nossas ações procuramos soluções práticas para prevenir e buscar a redução da violência em diferentes espaços públicos. Temos como um dos nossos objetivos a construção de uma base sólida para que possamos viver em uma sociedade pacífica no presente e no amanhã.

ODS 16: um objetivo que pressupõe ação

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 16 está associado à promoção de sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável. Ele também está vinculado ao acesso à justiça para todas e todos e à construção de instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

Acreditamos que a Paz é um objetivo que pressupõe ações práticas e cotidianas, além de ser um direito humano essencial que permite a compreensão do outro, o diálogo e a coexistência. 

Saiba em nosso site como se dá na prática a construção de uma cultura de paz!

Algumas referências que usamos nesse artigo:

Cultura de paz: da reflexão à ação

Pesquisa mostra que 82,7% dos domicílios brasileiros têm acesso à internet

OS HÁBITOS DE USO DE REDES SOCIAIS NO BRASIL

Os perigos das redes sociais

Cyberbullying: O que é e como pará-lo

O papel das redes sociais durante a pandemia

The Signals Research

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar