“Sem Gentileza”, de Futhi Ntshingila, foi a obra escolhida como leitura coletiva organizada pelo Instituto Aurora no mês de maio de 2021. A partir do livro, pudemos refletir sobre várias questões sociais relacionadas a direitos humanos, presentes na vida das personagens principais.

Por Mayumi Maciel, para o Instituto Aurora

“Sem Gentileza”, de Futhi Ntshingila, conta a história de Zola, de 31 anos, e sua filha Mvelo, de 14 anos mas “com cabeça de 40”. As duas moram em um barraco e passam por uma situação de extrema pobreza, dependendo de benefícios sociais, como uma bolsa de auxílio-doença, que nem sempre está disponível.

Zola engravidou na adolescência e foi expulsa de casa. Primeiro, morou com uma tia, que era dona de um bar, e posteriormente foi viver com Sipho, um homem que amava. Após um tempo, entretanto, Sipho se apaixona por outra mulher, Nonceba, o que faz com que Zola prefira se mudar para um barraco a continuar morando com ele. Ela nem cogita viver novamente com a tia, pois teme que Mvelo seja assediada pelos frequentadores do bar.

As histórias desses quatro personagens vão se cruzando e descruzando no decorrer da narrativa, pois Mvelo enxergava em Sipho uma figura paterna, e não conseguia deixar de gostar de Nonceba.

A maternidade e as desigualdades sociais em “Sem Gentileza”

A questão da maternidade aparece de forma constante em “Sem Gentileza”. Zola busca fazer o melhor para Mvelo, dentro de suas possibilidades. Preocupa-se com a educação da filha e que ela não sofra abusos.

Há um paralelo interessante entre Zola e Mvelo. Ambas engravidaram durante a adolescência. Mas Zola engravidou de um namorado que amava, enquanto Mvelo acaba sendo vítima de violência sexual. A relação delas com suas respectivas filhas acaba sendo diferente, mas ambas demonstram fazer aquilo que consideram ser o melhor.

A desigualdade social também aparece de forma presente na trama. Inseridas em um contexto de pobreza, Zola e Mvelo precisam lidar com a fome, com a falta de recursos e, muitas vezes, com a insegurança do local em que vivem.

O que “Sem Gentileza” tem a ver com Direitos Humanos?

“Sem Gentileza” apresenta uma série de assuntos possíveis de serem discutidos, a partir das vivências de cada personagem. Zola e Mvelo convivem com a questão da pobreza e da violência contra a mulher, Sipho e Nonceba nos fazem refletir sobre igualdade de gênero, por exemplo.

Destacamos alguns temas que surgiram a partir de nossa leitura de “Sem Gentileza”:

  • Pobreza e a necessidade de benefícios sociais
  • HIV/AIDS e saúde pública
  • Violência sexual contra crianças e adolescentes
  • Igualdade de gênero em relacionamentos e no ambiente de trabalho
  • Apartheid e consequências da segregação racial
  • Valorização da própria identidade e da cultura nacional
  • Gravidez na adolescência

Quer saber mais sobre as leituras coletivas promovidas pelo Instituto Aurora?

Todos os meses, realizamos uma votação aberta no perfil do Instagram do Instituto Aurora, para escolhermos a leitura coletiva do mês seguinte. Ao final de cada mês, também publicamos em nosso blog uma resenha do livro escolhido, refletindo sobre os temas abordados e sua relação com Direitos Humanos.

Quem quiser se aprofundar mais na leitura, e também compartilhar suas reflexões, pode participar do nosso Clube de Assinatura. Uma das recompensas disponíveis é um Guia de Leitura, no qual nossa equipe apresenta comentários e perguntas para reflexão a partir do livro do mês, e também temos um grupo exclusivo no Telegram, onde conversamos sobre a obra e outros assuntos.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar