Ações com foco em Diversidade e Inclusão podem transformar a cultura das organizações e geram impacto para toda a sociedade

Por Ana Carolina Maoski, para o Instituto Aurora

Diversidade e inclusão são dois conceitos que têm ganhado cada dia mais espaço no ambiente empresarial. Contudo, para que seja possível construir ambientes mais diversos e inclusivos, é essencial compreender o que se entende por esses termos. E também como é possível colocá-los em prática de forma eficaz seguindo princípios da educação em direitos humanos.

O Brasil é um país que possui diversidade na constituição demográfica da sua população. A obra “Operários” (1933) de Tarsila do Amaral nos dá a dimensão dessa pluralidade. (Imagem: Reprodução)

Nós já falamos por aqui sobre o que entendemos por cultura em direitos humanos. Mas vale retomarmos alguns pontos antes de falarmos especificamente sobre a cultura empresarial.

  1. Na nossa visão, a cultura pode ser entendida como “uma lente através da qual vemos o mundo”, de acordo com a colocação do antropólogo Roque Laraia.
  2. Nesse sentido, defendemos que uma cultura de direitos humanos significa não se conformar. Significa compreender que todos e todas temos necessidades básicas que devem ser atendidas, e que direitos não são privilégios.
  3. Para o Instituto Aurora, a educação em direitos humanos é um dos meios que permite a conscientização para os problemas sociais, revelando as desigualdades e reconhecendo as diferenças.

O valor da Diversidade e Inclusão nas empresas

Apesar de estarem relacionadas, diversidade e inclusão possuem significados diferentes. A primeira está ligada à construção de ambientes plurais, em que há espaço para todos os perfis profissionais. Já a segunda, diz respeito às medidas práticas que permitem efetivamente a mudança da cultura de uma organização. Segundo um artigo da Harvard Business Review, “diversidade não se sustenta sem inclusão”.

O conceito de diversidade também está ligado à ideia de equilíbrio: uma equipe diversa é aquela em há paridade no número de jovens, profissionais mais experientes, LBTQIA+, homens, mulheres, pessoas com deficiência, negros e negras. 

Um estudo de 2020 da McKinsey intitulado ‘Diversity Matters: América Latina’, indica que “empresas que adotam a diversidade são mais saudáveis, felizes e rentáveis”. A pesquisa colheu dados de cerca de 700 empresas de capital aberto em sete países da América Latina. 

Para se ter ideia da dimensão da questão, segundo o levantamento apenas 11% dos executivos de empresas latino-americanas são mulheres. E mais da metade das empresas consultadas não possuem mulheres em cargos executivos. Esse dado nos mostra o quão distante ainda estamos de alcançarmos a equidade nas organizações. 

Contudo, os resultados do estudo nos ajudam a refletir sobre os efeitos positivos da adoção de uma cultura empresarial baseada em direitos humanos e valores como diversidade e inclusão. Confira:

  • Funcionários de empresas percebidas como comprometidas com a diversidade tem 11% mais probabilidade de relatar que podem “ser quem são” no trabalho, o que provavelmente os estimula a participar e contribuir;
  • Eles também apresentaram probabilidade 80% maior de concordar que seus líderes promovem confiança e diálogo aberto, e probabilidade 73% maior de relatar uma cultura de liderança em prol do trabalho em equipe;
  • Nessas empresas, 63% dos funcionários indicam que estão felizes no trabalho, em comparação com apenas 31% das empresas que não são percebidas como comprometidas com a diversidade;
  • Por fim, na América Latina, as empresas com equipes executivas diversificadas em termos de gênero têm 14% mais probabilidade de superar a performance de seus pares na indústria. I Fonte: “Diversity Matters: América Latina” – McKinsey, 2020.

Quando falamos em inclusão, precisamos ter consciência de que ela está associada à mudança de mentalidade e a adoção de comportamentos baseados em uma cultura de direitos humanos.

De que forma a educação em direitos humanos pode fortalecer essa causa?

A educação em direitos humanos pode e deve ser uma aliada das políticas organizacionais de D&I. Segundo o estudo da McKinsey, diferentes medidas podem ser adotadas na promoção desses valores:

Garantir a representação de talentos diversificados; fortalecer a liderança e a responsabilização; viabilizar a igualdade e a equidade de oportunidades; promover um senso de pertencimento em relação ao trabalho e promover a abertura e o combate a micro agressões”.

Na prática, a formação de comitês de diversidade é uma das ações de inclusão voltadas para a diversidade que podem beneficiar organizações internamente. Esses comitês permitem a criação e implementação de ações de diversidade, bem como o monitoramento do ambiente de trabalho no que diz respeito à inclusão. Em qualquer cenário, o compromisso com a valorização dos direitos humanos é o primeiro passo para a transformação e a construção de espaços seguros, diversos e inclusivos.

Você conhece os serviços especializados do Instituto Aurora? Nós promovemos eventos, cursos e ações educativas voltados para a promoção dos direitos humanos, também em ambiente corporativo. Para saber mais sobre este e outros assuntos relacionados ao tema continue navegando em nosso blog!

Algumas referências que usamos nesse texto:

Dossiê BrandLab – A busca por diversidade no Brasil. Disponível em: <https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/futuro-do-marketing/gestao-e-cultura-organizacional/diversidade-e-inclusao/dossie-brandlab-diversidade/>. Acesso em: 14 de março de 2021.

Diversity Matters: América Latina. Disponível em: <https://www.mckinsey.com/br/our-insights/diversity-matters-america-latina>. Acesso em: 18 de março de 2021.

Diversity Doesn’t Stick Without Inclusion. Disponível em: <https://hbr.org/2017/02/diversity-doesnt-stick-without-inclusion>. Acesso em: 18 de março de 2021.

Entenda a diferença entre diversidade e inclusão nas empresas. Disponível em: <https://exame.com/carreira/entenda-a-diferenca-entre-diversidade-e-inclusao-nas-empresas/>. Acesso em: 15 de março de 2021.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar