“Cartas para a minha mãe”, de Teresa Cárdenas, foi a obra escolhida como leitura coletiva organizada pelo Instituto Aurora no mês de julho de 2021. A partir do livro pudemos refletir sobre várias questões, especialmente sobre racismo, preconceito e violência contra a mulher.

Por Mayumi Maciel, para o Instituto Aurora

“Cartas para a minha mãe”, de Teresa Cárdenas, é um romance epistolar, ou seja, escrito no formato de cartas, como o próprio título já diz. Na obra, a protagonista, que não tem nome, escreve várias cartas endereçadas à sua mãe, já falecida. Depois de sua morte, vai morar com a tia Catalina e suas filhas Lilita e Niña, que passam o dia zombando dela.

Além das familiares com quem mora, a menina também faz várias referências à sua avó, que frequentemente aparece por lá. Com o passar do tempo, novas personagens são apresentadas, como colegas de escola; uma senhora que vende flores, Menú; um menino da sala com quem ela se dá bem, Roberto; um namorado da tia, Fernando.

Em boa parte das cartas, a protagonista tem cerca de dez anos de idade, e o livro finaliza com cartas escritas aos 15 anos. Mais madura, ela reflete sobre o relacionamento com a mãe e com outras pessoas da família.

A infância e o racismo em “Cartas para a minha mãe”

A protagonista vivencia diferentes situações de racismo em seu cotidiano, o que acaba relatando nas cartas que escreve para a mãe. Logo no início do livro, ela comenta que começou a estudar na escola local e percebeu ser “a menina mais alta e mais preta da sala”, além de relatar sobre uma colega de pele clara que parece ter vergonha do pai, que tem a pele mais escura.

A avó da personagem, em diversas passagens, acaba demonstrando uma crença de que pessoas brancas seriam superiores. Por exemplo, ela diz que seria bom casar com um branco para “apurar a raça”, e vive elogiando a família para quem trabalha, mesmo tendo muito serviço e recebendo pouco.

A menina ainda relata xingamentos referentes à sua aparência, que ouve de suas próprias familiares. Mesmo assim, ela demonstra orgulho de ser quem é, como na seguinte passagem:

“Mãezinha,

Encontrei um pedaço de espelho na rua.

Agora, passo o tempo todo me olhando. A testa, os olhos, o nariz, a boca…

Sabe de uma coisa? Descobri que meus olhos são parecidos com os seus, que não podiam ser mais bonitos, e que minha boca e meu nariz são normais. Não gosto que digam que negros têm o nariz achatado e beição. Se Deus existe, com certeza está furioso por ouvir tanta gente criticando sua obra.”

O que “Cartas para a minha mãe” tem a ver com Direitos Humanos?

Como mencionado anteriormente, a questão racial é um aspecto de grande relevância em “Cartas para a minha mãe”. É um assunto de destaque, abordado pelo olhar infantil da personagem.

Um outro tema que aparece e que podemos nos atentar é a violência contra a mulher. Isto acontece principalmente a partir da introdução do personagem Fernando, namorado da tia Catalina.

No início, a família fica encantada com Fernando, por ser “bastante claro e de cabelo quase liso”, por parecer querer um relacionamento sério com Catalina, e ter um boa relação com as meninas. Mas a protagonista, além de considerá-lo metido desde o começo, acaba testemunhando uma situação de abuso de Fernando com Lilita, que estava doente, na cama. Com medo, ela acaba não relatando o ocorrido a ninguém.

E ainda, em dado momento, Fernando bate em Catalina, some por 15 dias e depois volta para a casa delas “de barba por fazer, todo sujo”. Mesmo assim, Catalina aceita a sua presença e cuida dele.

Além desses temas, podemos refletir ainda sobre infância e família, nas relações da protagonista em casa e fora dela.

Quer saber mais sobre as leituras coletivas promovidas pelo Instituto Aurora?

Todos os meses, realizamos uma votação aberta no nosso perfil do Instagram, para escolhermos a leitura coletiva do mês seguinte. Ao final de cada mês, também publicamos em nosso blog uma resenha como esta, em que falamos um pouco sobre a obra, os assuntos que ela apresenta e sua relação com Direitos Humanos.

Se você tiver interesse em se aprofundar mais na leitura no decorrer do mês, e também ter um espaço para compartilhar suas reflexões, pode participar do nosso Clube de Assinatura. Dentre as recompensas disponíveis, temos um Guia de Leitura, no qual apresentamos comentários e perguntas a partir da obra do mês. Também temos um grupo exclusivo no Telegram, onde podemos conversar sobre diversos assuntos, inclusive literatura.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar