“Carta à rainha louca”, de Maria Valéria Rezende, foi a obra escolhida para ser a leitura coletiva promovida pelo Instituto Aurora no mês de março de 2021. Por meio das leituras coletivas, nós buscamos conversar sobre temas relacionados a Direitos Humanos. A partir desta obra, podemos refletir principalmente sobre a visão do papel da mulher na sociedade.

Por Mayumi Maciel, para o Instituto Aurora

“Carta à rainha louca” é um romance epistolar, ou seja, contado por forma de cartas. Isabel Maria das Virgens escreve uma longa carta para a Rainha Maria I, também conhecida como Rainha Louca, em que conta sua história pessoal e os sofrimentos das mulheres nas mãos dos homens da Coroa.

Isabel começa a escrever sua carta no ano de 1789, encarcerada no Recolhimento da Conceição, por ser “louca e desobediente”. Desde o começo ela fala sobre como as leis são mais duras para as mulheres, e sobre os maus tratos sofridos pelos pobres.

O texto da carta parece seguir um fluxo de pensamento da personagem, com idas e vindas, sem seguir uma ordem cronológica precisa. Por vezes, ela fala de acontecimentos do seu tempo presente, como a busca por papéis, tinta e penas, para que possa escrever. Então, volta ao passado, contando dos dissabores que sofreu até chegar a essa situação de encarceramento.

Algumas questões de desigualdade de gênero que aparecem em “Carta à rainha louca”

A obra se passa no final do século XVIII, portanto apresenta algumas questões sobre a vida das mulheres na época. Por exemplo, Isabel saber ler e escrever é algo bastante incomum, ainda mais por não ser de uma família rica. O futuro esperado para mulheres como Blandina, cuja família era dona de engenho, era de fazerem um “bom casamento”.

Há, no decorrer do livro, descrição de diversas situações que levavam mulheres a serem aprisionadas em mosteiros. Podia ser algo temporário, como quando os maridos partiam em viagens e queriam evitar uma possível traição das esposas. E podiam ser situações mais permanentes, quando as mulheres eram enviadas pela família ou pelas autoridades, por fugirem dos padrões esperados e serem consideradas loucas.

Isabel também comenta sobre mulheres escravizadas: as que estavam no engenho, as que acompanharam Blandina ao mosteiro, as que trabalhavam na cidade. Elas estavam ainda mais longe da liberdade e vulneráveis às violências.

O que a história de “Carta à rainha louca” tem a ver com Direitos Humanos?

O objetivo principal de Isabel escrever a carta à Rainha Maria I é contar a sua história, clamar por justiça, e também explicitar os sofrimentos das mulheres. As leis eram mais duras para as mulheres, elas tinham menos acesso a educação e a empregos, ficavam vulneráveis “sem varão que assegure proteção”, nas palavras da personagem. Ou seja, a disparidade de oportunidades e liberdades era gritante.

Desde o final do século XVIII até os dias de hoje, podemos ver que tivemos avanços quanto aos direitos das mulheres e à igualdade de gênero. Mas podemos pegar vários temas que são abordados no livro e transpor para a atualidade, refletindo sobre o quanto avançamos e o quanto ainda podemos avançar.

  • Podemos dizer que há igualdade de gênero na educação e no mercado de trabalho?
  • Ainda há uma expectativa grande em cima das mulheres quanto a “um bom casamento”?
  • Como julgamos mulheres que fogem do padrão?
  • Em que contextos chamamos mulheres de “loucas”?
  • Quando pensamos de forma interseccional, levando também em consideração raça e classe, por exemplo, o quanto a desigualdade é mais profunda?

Sobre as leituras coletivas promovidas pelo Instituto Aurora

Todo mês, o Instituto Aurora promove a votação entre dois livros, em nosso perfil no Instagram. O mais votado é escolhido como nossa leitura coletiva do mês seguinte. Ao final do mês, publicamos em nosso blog uma resenha da obra, e refletimos sobre as relações que ela tem com Direitos Humanos.

Quem tiver interesse em se aprofundar na leitura, pode participar do Aurora Clube de Assinatura. Uma das recompensas disponíveis é um Guia de Leitura, com comentários da nossa equipe e perguntas disparadoras de boas reflexões, para te acompanhar nas páginas do livro do mês.

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar
Minha empresa quer doar