Vida com igualdade
é direito humano.

Por um mundo onde todas as pessoas
possam viver com seus direitos assegurados.

ODS 10. Reduzir as
desigualdades dentro
dos países e entre eles

A redução das desigualdades é também um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pelos quais trabalhamos aqui no Instituto Aurora.

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos”, assim começa a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Para que esse princípio seja respeitado, é urgente que as desigualdades de qualquer tipo sejam mitigadas ao redor do mundo.

Encontro do Aurora Clube do Livro - ODS 10

Igualdade
para incluir

Igualdade
para oportunizar

Igualdade
para gerar
autonomia

83% da população
brasileira declara
não ter preconceitos,
mas 72% já fez
algum comentário
preconceituoso

Fonte: Ibope & Ambev (2017)

Ou seja, somos um país que não percebe seus preconceitos. Na pesquisa da Ambev em parceria com o Ibope, o preconceito mais declarado foi a homofobia, mas aquele mais falado e que passa sem ser entendido como tal é o machismo. Além disso, metade das pessoas que identificam algum comentário preconceituoso não reagem à situação.

Como reduzir desigualdades quando não compreendemos os mecanismos que as reforçam?

Ação do projeto Homens Que Somos - ODS 10
Exibição do documentário O Silêncio dos Homens - ODS 10

Um novo
paradigma
pode ser aprendido,
considerando que
nenhuma vida
humana vale menos
do que outra

De acordo com a chefe da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Alicia Bárcena, a desigualdade é vencida quando a economia, a igualdade de direitos e a democracia são pensadas de forma complementar – e não como concorrentes.

Um mundo menos desigual se constrói repensando as nossas relações de poder, incluindo os fatores econômicos, mas também os fatores culturais.

Nosso olhar para o ODS 10

1294

jovens foram impactados
entre 2019 e 2023
por nossas atividades
que abordam direitos
humanos pelo viés
deste ODS

Promover espaços de diálogo que apontem para uma cultura de inclusão social de todas as pessoas, independente da idade, gênero, condição física, raça, etnia, religião e condição econômica. Incentivar legislações, políticas e ações adequadas a este respeito. Estas são algumas das metas contempladas pelo ODS 10. Nossos projetos e ações estão conectados a elas.

Quando se fala em redução das desigualdades, uma primeira leitura costuma nos remeter à questão econômica. Afinal, mesmo os países mais ricos ainda possuem pessoas vivendo em extrema pobreza.

Nossa visão propõe ampliar essa perspectiva. Entendemos que as desigualdades também agem em outras áreas, afetando o senso de valor e de pertencimento das pessoas. E mesmo as mais antigas democracias ainda enfrentam obstáculos como racismo, homofobia, transfobia e intolerância religiosa.

Cartaz sobre direitos humanos - ODS 10

Conheça algumas de
nossas ações pela
redução das desigualdades.

Escolha o melhor modo de
se juntar ao Instituto Aurora

Quero
aprender

Quero me
voluntariar

Quero
doar

Quero
contratar

O que é capacitismo e como combatê-lo?

O que é capacitismo e como combatê-lo?

O capacitismo é a discriminação contra pessoas com deficiência, seja ela física, sensorial, mental ou intelectual. Essa discriminação pode se manifestar de diversas formas, desde atitudes sutis até barreiras estruturais que impedem a participação plena das pessoas com...

“Nas asas da Pan Am”: história, política, memória

“Nas asas da Pan Am”: história, política, memória

“Nas asas da Pan Am”, documentário autobiográfico de Silvio Tendler, aborda a vida do diretor, acontecimentos históricos e políticos que presenciou, e fala sobre memória. Por Mayumi Maciel, para o Instituto Aurora. “Nas asas da Pan Am” é um documentário autobiográfico...

Conheça os outros ODS pelos quais trabalhamos:

ODS 04

Educação
de qualidade

ODS 05

Igualdade
de gênero

ODS 16

Cultura de
paz e justiça

Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Pontes ou muros: o que você têm construído?
Em um mundo de desconstrução, sejamos construtores. Essa ideia foi determinante para o surgimento do Instituto Aurora e por isso compartilhamos essa mensagem. Em uma mescla de história de vida e interação com o grupo, são apresentados os princípios da comunicação não-violenta e da possibilidade de sermos empáticos, culminando em um ato simbólico de uma construção coletiva.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
Quem é você na Década da Ação?
Sabemos que precisamos agir no presente para viver em um mundo melhor amanhã. Mas, afinal, o que é esse mundo melhor? É possível construí-lo? Quem fará isso? De forma dinâmica e interativa, os participantes serão instigados a pensar em seu sistema de crenças e a vivenciarem o conceito de justiça social. Cada pessoa poderá reconhecer suas potencialidades e assumir a sua autorresponsabilidade.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
A vitória é de quem?
Nessa palestra permeada pela visão de mundo delas, proporcionamos um espaço para dissipar o medo sobre palavras como: feminismo, empoderamento feminino e igualdade de gênero. Nosso objetivo é mostrar o quanto esses termos estão associados a grandes avanços que tivemos e ainda podemos ter - em um mundo em que todas as pessoas ganhem.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Liberdade de pensamento: você tem?
As projeções para o século XXI apontam para o exponencial crescimento da inteligência artificial e da sua presença em nosso dia a dia. Você já se perguntou o que as máquinas têm aprendido sobre a humanidade e a vida em sociedade? E como isso volta para nós, impactando a forma como lemos o mundo? É tempo de discutir que tipo de dados têm servido de alimento para os robôs porque isso já tem influenciado o futuro que estamos construindo.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Formações customizadas
Nossas formações abordam temas relacionados à compreensão de direitos humanos de forma interdisciplinar, aplicada ao dia a dia das pessoas - sejam elas de quaisquer áreas de atuação - e ajustadas às necessidades de quem opta por esse serviço.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Consultoria em promoção de diversidade
Temos percebido um movimento positivo de criação de comitês de diversidade nas instituições. Com a consultoria, podemos traçar juntos a criação desses espaços de diálogo e definir estratégias de como fortalecer uma cultura de garantia de direitos humanos.
Minha empresa quer doar

    Minha empresa quer doar
    [caldera_form id="CF5f3eb06356163"]
    Depoimento de professora de Campo Largo
    Em 2022, nosso colégio foi ameaçado de massacre. Funcionárias acharam papel em que estava escrito o dia e a hora que seria o massacre (08/11 às 11h). Também tinha recado na porta interna dos banheiros feminino e masculino. Como gestoras, fizemos o boletim de ocorrência na delegacia e comunicamos o núcleo de educação. A partir desta ação, todos as outras foram coordenadas pela polícia e pelo núcleo. No ambiente escolar gerou um pânico. Alunos começaram a ter diariamente ataque de ansiedade e pânico. Muitos pais já não enviavam os filhos para o colégio. Outros pais da comunidade organizaram grupos paralelos no whatsapp, disseminado mais terror e sugestões de ações que nós deveríamos tomar. Recebemos esporadicamente a ronda da polícia, que adentrava no colégio e fazia uma caminhada e, em seguida, saía. Foram dias de horror. No dia da ameaça, a guarda municipal fez campana no portão de entrada e tivemos apenas 56 alunos durante os turnos da manhã e tarde. Somente um professor não compareceu por motivos psicológicos. Nenhum funcionário faltou. Destacamos que o bilhete foi encontrado no banheiro, na segunda-feira, dia 31 de outubro de 2022, após o segundo turno eleitoral. Com isto, muitos estavam associando o bilhete com caráter político. A polícia descartou essa possibilidade. Enfim, no dia 08, não tivemos nenhuma ocorrência. A semana seguinte foi mais tranquila. E assim seguimos. Contudo, esse é mais um trauma na carreira para ser suportado, sem nenhum olhar de atenção e de cuidado das autoridades. Apenas acrescentamos outras ameaças (as demandas pedagógicas) e outros medos.
    Depoimento de professora de Campo Largo
    Em 2022, nosso colégio foi ameaçado de massacre. Funcionárias acharam papel em que estava escrito o dia e a hora que seria o massacre (08/11 às 11h). Também tinha recado na porta interna dos banheiros feminino e masculino. Como gestoras, fizemos o boletim de ocorrência na delegacia e comunicamos o núcleo de educação. A partir desta ação, todos as outras foram coordenadas pela polícia e pelo núcleo. No ambiente escolar gerou um pânico. Alunos começaram a ter diariamente ataque de ansiedade e pânico. Muitos pais já não enviavam os filhos para o colégio. Outros pais da comunidade organizaram grupos paralelos no whatsapp, disseminado mais terror e sugestões de ações que nós deveríamos tomar. Recebemos esporadicamente a ronda da polícia, que adentrava no colégio e fazia uma caminhada e, em seguida, saía. Foram dias de horror. No dia da ameaça, a guarda municipal fez campana no portão de entrada e tivemos apenas 56 alunos durante os turnos da manhã e tarde. Somente um professor não compareceu por motivos psicológicos. Nenhum funcionário faltou. Destacamos que o bilhete foi encontrado no banheiro, na segunda-feira, dia 31 de outubro de 2022, após o segundo turno eleitoral. Com isto, muitos estavam associando o bilhete com caráter político. A polícia descartou essa possibilidade. Enfim, no dia 08, não tivemos nenhuma ocorrência. A semana seguinte foi mais tranquila. E assim seguimos. Contudo, esse é mais um trauma na carreira para ser suportado, sem nenhum olhar de atenção e de cuidado das autoridades. Apenas acrescentamos outras ameaças (as demandas pedagógicas) e outros medos.